Posts Populares
31
jan
2018

“Você não pode sofrer mais do que eu”


Falando sobre: Textos
"Você não pode sofrer mais do que eu"

Foto por Visual Hunt

Já faz algum tempo que eu vejo isso (e me incomodo também), vai fazer parte de mais um daqueles #precisavaescrever. Sabe quando você vê algo que não gosta e precisa comentar sobre? Então, esse é um dos momentos.

Algum tempo atrás eu vi um tweet, não lembro agora onde ou quando, com duas pessoas “conversando” sobre seus problemas. A primeira pessoa expressava o seu problema e a segunda pessoa tentava fazer o seu problema parecer maior do que o do outro. Exemplo:

Pessoa 1:“Eu já quebrei a perna”

Pessoa 2:“Ah, mas eu já quebrei a perna e o braço”

Não sei se vocês estão entendendo o meu raciocínio. Pode parecer meio confuso, mas é que eu estou escrevendo conforme saem os meus pensamentos.

Mas partindo desse tweet, eu comecei a pensar que muita gente faz isso. E não é pouco. Sempre tem alguém querendo ser melhor do que o outro, superar até mesmo os problemas. O que não faz sentido algum. O que vai ser vantagem para você ter um problema “pior” do que o problema do próximo.

Você nunca vai saber o que o outro está passando. Você sempre vai saber apenas por fora, o que ele aparenta, o que os seus olhos veem. Você não vai saber o que ele está sentindo, o que ele está pensando. Você não é o Professor Xavier e nem a Jean Grey (alô, referências). Muitas vezes o outro guarda para si, porque não gosta de expressar para os outros o que está sentindo, o que está acontecendo com ele.

PARA E PENSA! Você pode pensar que o outro não tem problemas, que não está passando pelo que você está passando. Mas pode ser que ele esteja passando, mas não demonstrando, mas talvez esteja. Ou até mesmo está demostrando e você preso no seu mundinho não percebe que talvez ele precise de ajuda. Ao invés de dizer: “Ah, mas eu já quebrei a perna e o braço”, diga: “Que pena, você precisa de alguma ajuda? ”. Pode parecer pouco para você, mas para o outro vai valer muito.


É assim que eu termino esse post sem pé, nem cabeça, que serviu mais como uma forma de expressar o que eu estava sentindo, o que estava preso dentro de mim sobre tudo isso.

E você? Qual é a sua opinião sobre isso?

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *